skip to Main Content
Sabia que por cada 1€ investido na nossa ação de combate à Solidão e ao Isolamento, há um retorno social de cerca de 4€?
Mais Proximidade Ajuda A Combater Isolamento De 120 Idosos Em Lisboa

Mais Proximidade ajuda a combater isolamento de 120 idosos em Lisboa

Nadine Pinto e Délia Vigário vivem num prédio de cinco andares sem elevador, junto ao Martim Moniz, em Lisboa, e fazem parte de um grupo de cerca de 120 idosos isolados que recebe apoio permanente da Associação Mais Proximidade.

assa pouco das 18h00 e, para lá do reboliço de gente que passa pela praça do Martim Moniz, num prédio na Rua dos Cavaleiros, está Nadine Pinto, de 73 anos, à porta de casa, no quinto andar.

Não consegue descer a “escadinha maravilhosa” do prédio, como descreve com ironia, pelo que só sai de casa para algum tratamento médico que não seja possível ser feito no seu domicílio.

Questionada sobre o que faz para passar o tempo, Nadine conta que gosta “muito de ver o ‘Joker'”, tendo também começado a fazer sopa de letras recentemente. E só não vê mais televisão porque “é só anúncios e comida”.

“No outro dia fizeram uma caldeirada e eu fiquei com água na boca. É um exagero”, considera.

Nadine Pinto recebeu recentemente um ‘tablet’, no âmbito de um projeto piloto da Associação Mais Proximidade.

“Eu não me ajeito com isso. Mas, já ponho Júlio Iglésias e Tony Carreira”, diz, contente.

Os técnicos e voluntários da Associação Mais Proximidade – que apoia idosos isolados na Baixa de Lisboa e na Mouraria desde 2010 — são quem distribui alguns alimentos a Nadine, que também recebe ajuda da Santa Casa da Misericórdia, e a levam ao médico quando não conseguem que esses cuidados de saúde sejam prestados em casa.

“Na segunda-feira tenho radiografia e exames e elas vão comigo. Chamam a ambulância e vamos”, conta a idosa, numa conversa marcada pela sua boa disposição e apurado sentido de humor.

“Com isto da epidemia piorou tudo. Vêm dar-me banho e tudo”, acrescenta.

Dois andares abaixo, encontra-se Délia Vigário, de 86 anos. Está com vergonha e vai de imediato tirar o avental, assim que se depara com a visita da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e de alguns membros da associação.

Conta que ainda vai à rua, mas sublinha que a ajuda do projeto é essencial para ir ao médico e para ter alguma companhia.

“É uma coisa que não tem explicação. São muito boas [técnicas] para a gente”, defende, acrescentando: “a maior tristeza que eu tenho é elas virem aqui e não poderem entrar”.

Délia Vigário faz também questão de dizer que foi cozinheira e que faz “bacalhau com natas sem natas”, mas sim com leite.

E como a pandemia de covid-19 não permite proximidade por agora, Ana Mendes Godinho deixou um repto no final da visita.

“Da próxima vez vimos cá comer um bacalhau com natas. Sem natas”, disse a ministra antes de deixar o prédio, a rir.

Em declarações à Lusa, a coordenadora e presidente da Associação Mais Proximidade, Mafalda Soure, explica que o projeto surgiu em 2010 “como um serviço de acompanhamento a pessoas idosas” residentes na Baixa e na Mouraria, “cujo principal problema” desde logo identificado prendia-se, sobretudo, “com a questão da solidão e do isolamento”.

“Começámos então a criar um conjunto de respostas de acompanhamento, visitas domiciliárias pela equipa técnica […], mas também com equipas de voluntários que visitam semanalmente as pessoas que acompanhamos”, explica.

Neste momento, a associação acompanha cerca de 120 pessoas, mas o recorde de idosos apoiados foi batido no ano passado, altura em que a pandemia de covid-19 agravou a vida de muitos. Foram apoiadas 139 pessoas, precisa Mafalda Soure.

“Também acompanhámos as pessoas ao médico, articulamos com todo a organização do sistema de saúde, para garantir que estas pessoas são bem acompanhadas do ponto de vista da saúde e conseguem, efetivamente, melhorar a sua qualidade de vida”, realça a responsável.

A frequência das visitas ao domicílio dos idosos depende das suas necessidades e nível de dependência, refere, acrescentando que “há uma grelha de categorização” que vai desde o verde ao vermelho.

Mais Proximidade ajuda a combater isolamento de 120 idosos em Lisboa (noticiasaominuto.com)

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back To Top